Portinarenses desenvolvem argumentação durante Ateliê

Protesto! Essa foi a palavra mais ouvida durante os três dias da apresentação do “Grande Ateliê Simulação Tribunal do Juri”, feito pela turma do 9º ano e coordenado pela professora Elisete.

_dsc0571

Desde 2008, o Ateliê é organizado de forma com que os alunos defendam seus argumentos sobre temas da atualidade que acabam passando despercebido pelos jovens.

Na edição desse ano, eles debateram sobre a legalização das armas, eutanásia, cotas raciais e redução da maioridade penal. “Em um mundo com tanta informação nem sempre vemos o conhecimento. Por isso é necessário ter formas que façam com que os alunos saiam do ‘achismo’”, comenta a professora Elisete.

Com a divisão das equipes contra ou favorável ao tema, os alunos tiveram que desenvolver durante o segundo semestre, estudos para convencer a mesa do júri. Critérios como oralidade, contextualização e recursos multimídias foram avaliados.

Elisete também ressalta a importância de desenvolver habilidades pouco exploradas pelos alunos. “A grande ideia do ateliê é que os alunos passem a utilizar a argumentação a partir do conhecimento sobre o assunto”, completa.

A aluna Lívia Bonin teve a oportunidade de ser a advogada da sua equipe. Ela se sente confortada em estar em uma escola que tem uma preocupação voltada muito além de provas e trabalhos, mas sim, com o conhecimento. “O Portinari se preocupa com o desenvolvimento do meu olhar crítico e de habilidades pouco exploradas por mim, como a argumentação”, fala.

A portinarense, orgulhosa, ainda fala que mesmo apreensiva durante a apresentação sabe que o ateliê contribuiu para que ela descobrisse novas habilidades.